Como aproveitar ao máximo a sua oficina mecânica como um negócio

Oficina mecânica é um ótimo negócio. Disso ninguém duvida. Cada vez mais carros são produzidos, começam a rodar e, mais cedo ou mais tarde, acabam precisando de manutenção.

Mesmo em período de baixa nas vendas de veículos novos, há demandas a serem atendidas no comércio de usados, o que faz com que os proprietários mantenham seus automóveis em bom estado para conseguir boas vendas. Além disso, há também a necessidade óbvia de conservação para utilização no dia a dia.
Analisando os pontos destacados acima, fica claro que o proprietário geralmente vai executar o reparo ou a manutenção quando necessário. Aí, entra a segunda parte da análise: qual o fluxo de veículos a serem reparados? Com estradas cada vez mais sucateadas, trânsito cada dia mais caótico e uma infinidade de componentes nos veículos, sobram batidas, problemas na suspensão, falhas eletrônicas, além do já esperado desgaste dos componentes.
Assim sendo, se tem um ramo de negócio onde a demanda se mantém alta e a procura é alta devido à natureza essencial do reparo dos veículos. Um mercado perfeito, mas que exige uma exploração adequada. Tudo isso se torna insuficiente caso haja falha na condução e na operação da oficina. Por isso trazemos dicas do CESVI Brasil para ampliar suas chances com sua oficina!
Primeiro, saiba que qualquer análise mais aprofundada da oficina deve ter como objetivo mapear o processo produtivo, desenvolvendo um plano de ação focado em: Venda de mão de obra/ Desenvolvimento do layout produtivo/ Fluxos de trabalho/ Tempos operacionais/ Processos de produção/ Adequação e utilização de equipamentos/ Levantamento da capacitação dos colaboradores.

Então vale a pena compreender melhor cada uma dessas etapas. Vamos lá:

1 Venda de Mão de Obra

 Análise Oficina mecânica:
A falta de um orçamentista com capacitação e foco voltados só para isso tem levado os coordenadores a botar a mão na massa nessa função. Isso compromete a venda do serviço, já que esses profissionais não têm tempo para um detalhamento do orçamento. Esse cenário está relacionado à falta de planejamento das atividades.
Plano de Ação:
Desenvolvimento do quadro produtivo. Mudança nas atribuições profissionais dos trabalhadores envolvidos com as atividades operacionais.

2 Layout Produtivo

Análise:
O layout promove a organização das áreas operacionais, otimiza os processos de produção e proporciona a execução dos serviços respeitando os prazos.
Plano de Ação Oficina mecânica:
Investimento em assessoria técnica no desenvolvimento em layout e no estabelecimento do processo produtivo.

3 Fluxos de Trabalho

Análise:
É necessário estabelecer padrões de processos e etapas de controle por meio de um fluxo de trabalho definido pela gestão. Os colaboradores devem passar por um processo de integração para o atendimento dessas exigências, sem que haja vícios de trabalho na operação. Também é necessário desenvolver um fluxograma do processo, mapeando o passo a passo do reparo.
Plano de Ação:
Investimento em assessoria técnica no desenvolvimento de processo produtivo e fluxograma operacional.

4 Tempos Operacionais

Análise:
São aplicados conforme o cenário estabelecido pela gestão. Se o tempo de cada trabalho for definido pelo próprio colaborador, isso vai comprometer diretamente o desempenho de todos no que diz respeito a: orçamento, qualidade, rapidez e entrega.
Plano de Ação:
Investimento em assessoria técnica no desenvolvimento de processo produtivo e levantamento de dados em todo o processo. Redução de consumo (insumos utilizados na funilaria e pintura).

5 Processos de Produção

Análise:
Quando falta produtividade na oficina, é porque há problema de processo – por não haver métodos de trabalho, seja individual ou em grupo. Quando os prazos não estão sendo respeitados e falta comprometimento à equipe, outra maneira de manter o equilíbrio da produção é adotar uma tabela de comissão, aplicada individualmente ou por equipe.
Plano de Ação:
Mapear o processo produtivo por meio de assessoria técnica. Estabelecer remuneração variável/participação nos resultados (aplicação de comissão).

6 Adequação e Utilização de Equipamentos

Análise:
É fundamental a oficina possuir ferramentas e equipamentos básicos para adequação dos procedimentos de reparação e diminuição do tempo de execução, o que afeta diretamente a produtividade.
Plano de Ação:
Mapear por meio de assessoria técnica os equipamentos e tecnologias da oficina.

7 Capacitação dos Colaboradores

Análise:
Um velho problema do setor de reparação é o baixo nível técnico dos profissionais. A maioria dos colaboradores só tem nível básico de conhecimento sobre funilaria e pintura. Por isso, os trabalhos são refeitos diversas vezes, elevando o custo da operação com maior consumo de material e tempo de serviço.
Plano de Ação:
Mapear por meio de assessoria técnica o nível de capacitação e a necessidade de treinamento da equipe nas seguintes áreas: soldagem, preparação e pintura, orçamentação, gestão de oficina e em atendimento.