Simuladores não são mais obrigatórios

Mais uma vez ocorreram mudanças no processo para adquirir a CNH, as novas regras entraram em vigor no meado de setembro, fazendo com que os simuladores não fossem mais obrigatórios e reduzindo o tempo de aulas práticas tanto na categoria A (motos) quanto na B (carros).

As novas regras mudaram de 25 para 20 o número de aulas práticas obrigatórias na categoria B. Já na categoria A serão apenas necessárias 15 horas de aulas. Em ambas situações terão que ter pelo menos 1 hora de aula noturna, o que representa uma redução de 80% das aulas, pois a exigência anterior era de 5 aulas para os condutores de ciclomotores.

As mudanças também reflete nas “cinquentinhas” (ciclomotores com motor de até 50 cm³), quem quiser guiar as mesmas até em 2020, podem fazer as provas teóricas e práticas sem precisar assistir aula. As aulas práticas só serão obrigatórias, caso o candidato fique reprovado. Somente a partir de setembro do ano que vem, que as aulas voltam a ser exigidas, porém o número de horas de aulas irão cair de 20 para 5, com apenas uma noturna.

Segundo o Ministro da infraestrutura Tarcísio Freitas “O simulador não tem eficácia comprovada, ninguém conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há obrigatoriedade. Então, não há prejuízo para a formação do condutor”

As mudanças ocorreram porque as medidas previstas pelo CONTRAN, entraram em vigor esse  mês. O presidente Jair Bolsonaro vem se mostrando a favor das mudanças no Código Nacional de trânsito desde que foi eleito no ano passado. O fim da obrigatoriedade do simulador foi comentado por ele em fevereiro desse ano.

Bolsonaro se mostrou contra as aulas teóricas numa transmissão ao vivo nas redes sociais, dizendo que para conseguir a carteira bastava somente uma prova prática e outra teórica. Em outro momento, ele defendeu a extensão do prazo de validade da CNH de cinco para dez anos e o aumento de 20 para 40 nos pontos necessários para o condutor perder a carteira quando acumula infrações de trânsito.

Além de reduzir o tempo de aula, o fim dos simuladores também trás outra vantagem como por exemplo reduzir em até 15% o custo para tirar a CNH.

Escrito por: Rayanne Decotté – Jornalista no BM e JBP