Câmbio automático, combustível dobrado:

Verdade ou mito? 

Você já ouviu algum cliente perguntando se é verdadeira a teoria de que carros automáticos consomem mais do que carros manuais? É comum que motorista, quando pensam em trocar de carro ou até mesmo por curiosidade, procurem profissionais com essa pergunta sobre um tema que impacta diretamente no bolso. A resposta a ser dada nesses casos é “sim, existe diferença”. Mas, ela depende muito do modo de condução. No caso de dois carros idênticos, guiados da mesma forma, o automático é um pouco mais gastador, até 15% a mais.

O câmbio automático gasta mais combustível porque o conversor de torque desperdiça parte da energia mecânica transferida pelo motor. Desde que a troca de marchas seja feita em baixa rotação, a troca manual é mais econômica.

O carro automático, mesmo que permita troca manuais, é mais gastador O câmbio manual permite a escolha da marcha correta para a situação. E ainda pode ser potencializado caso o motorista utilize o modo Sport na escolha do câmbio para a direção. Dessa forma, as trocas são feitas com rotações ainda mais alta o que gera um consumo maior, entretanto, garante um desempenho melhor para o carro.

De acordo com Cesar Samos, diretor do Sindirepa-SP, o Sindicato de Reparação de São Paulo, o câmbio automático é mais complexo e tem como principais desvantagens o consumo maior e a perda de desempenho. “Mas, com a evolução tecnológica e assistência eletrônica, esses fatores foram muito reduzidos. Hoje, os câmbios automáticos são excelentes sistemas de transmissão, permitindo trocas sequenciais comandadas pelo motorista, programas econômicos e esportivos”.

O gasto maior ocorre porque o câmbio automático executa as trocas de marcha em rotações mais altas do que o necessário no câmbio manual. No carro automático, o conversor de torque desperdiça a energia mecânica transferida pelo motor, ou seja, ele não usa toda a força obtida no motor. Além disso, não permite a escolha da marcha correta para determinadas situações, o que faz aumentar a aceleração e, por consequência, mais combustível na câmara de combustão. Veja abaixo as opções de marcha e seus modos de condução.

Carro manual

Se as marchas forem trocadas em alta rotação, é bem provável que o carro gastará mais combustível do que um carro automático. No entanto, se as marchas forem trocadas em baixa rotação, como indicado pelas montadoras, o carro gastará menos.

Carro automático

Por trabalhar em uma rotação maior, o câmbio automático gasta mais combustível do que o manual. Se a opção “sport” estiver acionada, o carro automático gastará ainda um pouco mais porque a troca de marchas ocorrerá em uma rotação ainda mais alta.

Fechado para comentários.