Lei do Farol baixo aumentou gastos dos clientes e trabalho nas oficinas

Com uma assinatura, a média de horas de utilização da lâmpada do farol baixo em veículos no Brasil dobrou. Foi exatamente esse o impacto da Lei 13.290, de 23 de maio de 2016, que tornou obrigatório o uso de farol baixo em rodovias durante o dia. Com isso, a durabilidade média das peças cai de quatro para dois anos; E isso vai afetar os serviços de sua oficina, pois a substituição pode não ser tão simples.

Prepare-se: com a nova lei que obriga o uso de faróis baixos em rodovias, você terá de substituir com maior frequência as lâmpadas dos carros de seus clientes. Afinal, se até aqui o brasileiro trafegava de 150 a 200 horas por ano com os faróis acesos, agora a média subirá para 350 a 400 horas/ano. Como a vida útil das lâmpadas é estimada em 800 horas, a durabilidade deve cair pela metade: de quatro para cerca de dois anos.

Só que a substituição já não é mais tarefa tão simples quanto trocar a lâmpada da sala, o que fará com que seus serviços sejam mais solicitados.

Trocar lâmpada
=

Trabalho complexo

Com conjuntos ópticos elaborados, novas tecnologias de iluminação e automóveis mais complexos em termos de construção e desenho, boa parte dos modelos atuais exige que você vá até uma oficina para fazer o que antes parecia simples.

Tal complexidade não é exclusiva de modelos mais caros. Um Fit de segunda geração (2009 a 2014), por exemplo, requer ginástica e contorcionismo para solucionar o mesmo problema. É preciso tirar a peça de proteção do para-barro para acessar a parte posterior dos faróis, por exemplo.

O monovolume da Honda, inclusive, é um dos mais trabalhosos nesse quesito, está em uma lista na qual pode-se incluir também Peugeot 206, Citroën C4, Mitsubishi L200 e Mercedes-Benz Classe A (aquele que foi produzido no Brasil no início dos anos 2000).

LED é a solução

A esperança é que a tecnologia full-LED se torne popular o quanto antes. Hoje comuns só em modelos de luxo ou segmentos mais caros — alguns compactos, como Hyundai HB20 e Peugeot 208, oferecem a tecnologia só na forma de guia diuro –, as lâmpadas desse tipo têm duração superior a 10 anos.

Se serve de alento, lâmpadas veiculares não costumam ser muito caras. Em modelos compactos e médios, custam entre R$ 20 e R$ 60 a unidade. Mesmo a da Ranger sai por R$ 40, com a troca incluída.

O que pode ser negócio, pois é a mão de obra que costuma pesar no bolso, com orçamentos entre R$ 60 e R$ 100. A justificativa está aí: dá um trabalho danado.

Cuidado:
Boatos circulam pelas redes sociais afirmando que a lei foi suspensa, mas, até o momento, nenhuma autoridade interrompeu o exercício da medida punitiva. A Lei segue em vigor!

farol baixo